Cardápio

Frame - Canções de Amor

18:49




Ama-me menos, mas ama-me por muito tempo.”


*Trecho extraído do filme Canções de Amor 

Sinopse: O filme é um drama musical francês que conta a história do jovem jornalista Ismaël (Louis Garrel), namorado de Julie (Ludivine Sagnier), que convida sua amiga Alice (Clotilde Hesme) para morar com o casal. Os três passam a andar juntos pela cidade de Paris, festejar e dividir momentos de intimidade na cama. Apesar de todo entusiasmo, o relacionamento a três vai gerar algumas crises de ciúmes. A vida de cada vértice deste triângulo amoroso vai mudar radicalmente após uma tragédia.










A última carta de amor

[Resenha]: A última carta de Amor (Jojo Moyes)

16:13

Título: A última carta de amor
Autora: Jojo Moyes
Edição: 1a
Editora: Intrínseca
Páginas: 384
Nota: 5 de 5


Sinopse: Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. Novamente em casa, com o marido, ela tenta sem sucesso recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. 

Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar por “B”, e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas de seu próprio relacionamento. Com personagens realísticos complexos e uma trama bem-elaborada, A última carta de amor entrelaça as histórias de paixão, adultério e perda de Ellie e Jennifer.

Comentários

“Os jovens não tem o monopólio dos corações partidos, sabe. – Ela começa a descer a trilha devagarzinho, e não dá mais para ver o seu rosto. O silêncio antes que ela fale de novo faz cair uma pequena lágrima no coração de Ellie. – Aprendi uma coisa há muito tempo: o se é um jogo muito perigoso mesmo.” 
Página 337


A obra de Jojo Moyes foi uma grata surpresa para mim. Por não ser adepta da leitura de sinopses, sabia pouco sobre o que o livro iria tratar. Mas a julgar pelo título imaginei que seria o romance mais água com açúcar que já li. Posso dizer que nesse aspecto minhas expectativas não foram atendidas e isso foi bastante positivo. A Última Carta de Amor apresenta uma narrativa inteligente e bem estruturada sobre as aventuras e as desventuras amorosas, e traz como pano de fundo as mudanças na linguagem do amor.

No prólogo conhecemos Ellie Haworth, uma jovem jornalista que trabalha na editoria de reportagens especiais do Nation, jornal inglês, e que está amorosamente envolvida com um homem casado, John. As dificuldades da sua vida amorosa acabam influenciando o rendimento de Ellie no jornal, e esta é encarregada por sua editora a produzir uma grande reportagem a partir de algum material do arquivo a fim de mostrar sua dedicação ao trabalho. Durantes suas pesquisas nas edições antigas do Nation, Ellie acaba encontrando uma carta de amor sem muitas informações sobre o destinatário e assinada apenas por “B”.

A partir desse ponto o livro nos leva a década de 1960 e conhecemos Jennifer Stirling. Jennifer é uma típica mulher da alta sociedade londrina do início dos anos 60, casada com um homem rico, Larry, esta vive de promover festas e eventos sociais. No entanto, após sofrer um acidente de carro, Jennifer tem perda temporária da memória e não consegue mais se reconhecer nem se enquadrar na vida que costumava levar.

Durante uma das tentativas de estimular suas lembranças e recordar de sua vida, Jennifer encontra uma carta endereçada a ela, mas escrita por outro homem que não seu marido. Como também não conseguia se lembrar de que tinha um amante e nem quem era essa pessoa, passa a se dedicar a tarefa de descobrir a identidade do “B”.  

O que se segue é um verdadeiro quebra-cabeça temporal até que as duas histórias se cruzem. Confesso que demorei um pouco para perceber que a sequência dos acontecimentos não era linear, mas isso não impediu o entendimento da história. Também não consegui simpatizar com a personagem de Jennifer até os últimos capítulos. Isso porque me senti bastante incomodada com algumas de suas atitudes egoístas e até mesmo a forma como ela conduzia o relacionamento com Larry.

Apesar das duas protagonistas estarem envolvidas em relacionamentos extraconjugais, esse não é o foco da narrativa. A história construída por Jojo Moyes não se atem a questões morais que envolvem esse tipo de relação, sua atenção está voltada para os sentimentos. O livro é sobre os sabores e os dessabores das relações amorosas, passa pelas alegrias, pelas tristezas, pela culpa, por desencontros e faz um paralelo com as mudanças na linguagem do amor a partir das cartas recebidas por Jennifer e dos torpedos que eram enviados a Ellie.

A história é dividida em três partes e apresenta narração em terceira pessoa, fato que ajuda muito no movimento de compreensão dos personagens a partir de uma perspectiva mais ampla. O projeto editorial é outro ponto positivo do livro. O início de cada capítulo apresenta um trecho verídico de uma carta, torpedo ou e-mail sobre términos de relacionamentos.

Recomendo demais o livro até para o menos românticos como a que vos escreve. O modo inteligente como a autora aproxima as duas histórias de amor separadas por 40 anos e a forma pouco melosa com que tratou do tema sem deixar de lado o romantismo são motivos a mais para gostar da narrativa.


“– Mas não existe perdão para pessoas como nós, Ellie. Você pode vir a descobrir que a culpa tem um papel muito maior no seu futuro do que você gostaria. Dizem que a paixão arde por uma razão, e, quando se trata de casos, os protagonistas não são os únicos que saem machucados.” 
Página 336


Érika Rodrigues

Clube do Livro

Literatura Sick-lit e o Clube do Livro

18:42



O próximo encontro do Clube do Livro Saraiva SE, que acontece nesta sexta-feira, dia 18, às 18 horas, abordará um gênero literário que vem ganhando muitos adeptos principalmente entre o público jovem e adolescente, o sick-lit.

Para quem não está habituado com o termo, sick-lit significa, em linhas gerais, literatura de doença. Os enredos desse nicho do mercado literário mostram a difícil realidade de doenças físicas e psicológicas como câncer, depressão e transtornos alimentares. Nesse rol cabem títulos como ‘A Culpa é das Estrelas’ (John Green), ‘O lado Bom da Vida’ (Matthew Quick), ‘As Vantagens de ser Invisível’ (Stephen Chbosky), Garotas de Vidro (Laurie Halse Anderson), e Extraordinário (R. J. Palacio).

O gênero enfrenta inúmeras críticas de pais e professores que temes o impacto desses produtos culturais, que abordam temas tão complexos, na vida e na construção da personalidade dos adolescentes. Mas há também muitos que acreditam que livros como os citados no paragrafo acima podem servir como aliados na educação dos jovens e até mesmo facilitar o diálogo entre pais e filhos sobre tabus modernos como a anorexia e a depressão.

Já deu para perceber que o assunto rende uma boa prosa. Por isso reforço o convite para a edição de outubro do Clube do Livro Saraiva SE que será realizado na Saraiva do Shopping Riomar, nesta sexta-feira (18), às 18 horas. Para quem não está em Aracaju, mas se interessou pelo tema segue algumas indicações de livros sick-lit.


A Culpa é das Estrelas - John Green

A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.

Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar. 



As Vantagens de Ser Invisível - Stephen Chbosky

Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.

As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.

Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.


Garotas de Vidro - Laurie Halse Anderson

Lia está doente e sua obsessão pela magreza a deixa cada vez mais confusa entre a realidade e a mentira. Mas ela perde totalmente o controle quando recebe a notícia de que sua melhor amiga, Cassie, morreu sozinha em um quarto de motel. E o pior: Cassie ligou para Lia 33 vezes antes de morrer. O que começou como uma aposta entre duas amigas para ver quem ficaria mais magra tornou-se o maior pesadelo de duas adolescentes reféns de seus próprios corpos.

Ao negar seu problema, Lia impõe a si mesma um regime cruel em que contar calorias não é o bastante. Ao omitir seu desespero, apela ao autoflagelo numa tentativa premeditada de aliviar seus tormentos. Seus pais e sua madrasta tentam ajudá-la a qualquer custo, mas nem mesmo sua doce irmã, Emma, consegue fazer com que Lia pare de se destruir. Agora, Lia precisa encontrar um modo de lidar com todos os seus fantasmas, e a morte de Cassie é um deles. Garotas de Vidro é uma história intoxicante sobre a autorrepugnância e a busca pela identidade. Neste livro, Laure Halse anderson aborda de modo realista a dolorosa condição de jovens que sofrem de transtornos alimentares e sua complicada relação com o espelho e consigo mesmos.


O Lado Bom da Vida - Matthew Quick


Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. 

Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Uma história comovente e encantadora, de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.

Arqueiro

Indicações para a sua estante - Segunda edição

17:31

O Chamado do Cuco, por Robert Galbraith

Quando uma perturbada modelo despenca para a morte de uma varanda coberta de neve, fica assumido que ela cometera suicídio. Entretanto, seu irmão tem suas dúvidas e telefona um detetive particular, Cormoran Strike, para investigar o caso. Strike é um veterano de guerra – ferido física e psicologicamente – e sua vida está uma bagunça. O caso lhe fornece uma salvação financeira, porém com um custo pessoal: quanto mais ele se aprofunda no complexo mundo da jovem modelo, mais sombrias as coisas vão se tornando – e mais perto ele fica do terrível perigo…

Um elegante e dominante mistério mergulhado na atmosfera de Londres – desde as silenciosas ruas de Mayfair aos bares clandestinos de East End até a agitação de Soho.  Este é o aclamado primeiro romance criminal de J.K. Rowling, escrevendo sob o pseudônimo de Robert Galbraith. 



No Meu Peito Não Cabem Pássaros, por Nuno Camarneiro

Que linhas unem um imigrante que lava vidros num dos primeiros arranha-céus de Nova York a um rapaz misantropo que chega à Lisboa num navio e a uma criança que inventa coisas que depois acontecem? Muitas. Entre elas, as linhas que atravessam os livros. Em 1910, a passagem de dois cometas pela Terra semeou uma onda de pânico. Em todo o mundo, pessoas enlouqueceram, suicidaram-se, crucificaram-se, ou simplesmente aguardaram, caladas e vencidas, aquilo que acreditavam ser o fim do mundo. Nos dias em que o céu pegou fogo, estavam vivos os protagonistas deste romance - três homens demasiado sensíveis e inteligentes para poderem viver uma vida normal, com mais dentro de si do que podiam carregar. 

Apesar de separados por milhares de quilômetros, as suas vidas revelam curiosas afinidades e estão marcadas, de forma decisiva, pelo ambiente em que cresceram e pelos lugares, nem sempre reais, onde se fizeram homens. Mas, enquanto os seus contemporâneos se deixaram atravessar pela visão trágica dos cometas, estes foram tocados pelo gênio e condenados, por isso, a transformar o mundo. Cem anos depois, ainda não esquecemos nenhum deles. 

Escrito numa linguagem bela e poderosa, que é a melhor homenagem que se pode fazer à literatura, o livro é um romance de estreia invulgar e fulgurante sobre as circunstâncias, quase sempre dramáticas, que influenciam o nascimento de um autor e a construção das suas personagens.

Dançando Sobre Cacos de Vidro, por Ka Hancock

Lucy Houston e Mickey Chandler não deveriam se apaixonar. Os dois sofrem de doenças genéticas: Lucy tem um histórico familiar de câncer de mama muito agressivo e Mickey, um grave transtorno bipolar. No entanto, quando seus caminhos se cruzam, é impossível negar a atração entre eles.

Contrariando toda a lógica que indicava que sua história não teria futuro, eles se casam e firmam – por escrito – um compromisso para fazer o relacionamento dar certo. Mickey promete tomar os remédios. Lucy promete não culpá-lo pelas coisas que ele não pode controlar. Mickey será sempre honesto. Lucy será paciente.

Como em qualquer relação, eles têm dias bons e dias ruins – alguns terríveis. Depois que Lucy quase perde uma batalha contra o câncer, eles criam mais uma regra: nunca terão filhos, para não passar adiante sua herança genética.

Porém, em seu 11° aniversário de casamento, durante uma consulta de rotina, Lucy é surpreendida com uma notícia extraordinária, quase um milagre, que vai mudar tudo o que ela e Mickey haviam planejado. De uma hora para outra todas as regras são jogadas pela janela e eles terão que redescobrir o verdadeiro significado do amor.
Dançando sobre cacos de vidro é a história de um amor inspirador que supera todos os obstáculos para se tornar possível.


As Luzes de Setembro - Trilogia da Névoa - Volume 03, por Carlos Ruiz Zafón

Durante o verão de 1937, Simone Sauvelle fica de repente viúva e abandona Paris junto com os filhos, Irene e Dorian. Eles se mudam para uma cidadezinha no litoral da Normandia, e Simone começa a trabalhar como governanta para Lazarus Jann, um fabricante de brinquedos que mora na mansão Cravenmoore com a esposa doente. Tudo parece caminhar bem. Lazarus demonstra ser um homem agradável, trata com consideração Simone e os filhos, a quem mostra os estranhos seres mecânicos que criou: objetos tão bem-feitos que parecem poder se mover por conta própria. Irene fica encantada com a beleza do lugar – os despenhadeiros imensos, o mar e os portos – e por Ismael, o pescador primo de Hannah, cozinheira da casa. Ismael tem um barco, entende tudo sobre navegação e gosta de velejar sozinho, até conhecer Irene e vê-la de maiô... 

Os dois logo se apaixonam. Entre Simone e Lazarus parece nascer uma amizade. Dorian gosta de ler e, muito curioso, quer entender como os bonecos de Lazarus funcionam. Todos estão animados com a nova vida quando acontecimentos macabros e estranhas aparições perturbam a harmonia de Cravenmoore: Hannah é encontrada morta, e uma sombra misteriosa toma conta da propriedade. Irene e Ismael desvendam o segredo da espetacular mansão repleta de seres mecânicos e sombras do passado. Juntos enfrentam o medo e investigam estranhas luzes que brilham através da névoa em torno do farol de uma ilha. Os moradores do lugar falam sobre uma criatura de pesadelo que se esconde nas profundezas da floresta.

Em As luzes de setembro, aquele mágico verão na Baía Azul será para sempre a aventura mais emocionante de suas vidas, num labirinto de amor, luzes e sombras.

Cardápio

Festival de Cinema Fantástico do Nordeste – Parte I (FANTASNOR)

14:41

Imagem: Divulgação

O final de outubro em Aracaju promete ser fantástico. Além das atividades propostas no cartaz, o evento organizado pela Gonara Filmes conta ainda com concurso cosplay, debates e feira cultural, trazendo uma vasta programação para o público jovem e adulto. Interessado? Os locais de venda de ingresso e demais informações estão expostos na página do festival.

.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações-SemDerivados 2.5 Brasil.