[Resenha]: P.s. Eu te amo (Cecelia Ahern)

00:33

Título: P.s. Eu te amo | Autora: Cecelia Ahern | Editora: Novo Conceito | Edição: 1 Páginas: 368 | Nota: 5 de 5

Sinopse: Gerry e Holly eram namorados de infância e ficariam juntos para sempre, até que o inimaginável acontece e Gerry morre, deixando-a devastada. Conforme seu aniversário de 30 anos se aproxima, Holly descobre um pacote de cartas nas quais Gerry, gentilmente, a guia em sua nova vida sem ele. Com ajuda de seus amigos e de sua família barulhenta e carinhosa, Holly consegue rir, chorar, cantar, dançar e ser mais corajosa do que nunca.









Comentários

“Você fez a minha vida. Não tenho arrependimentos. Mas sou apenas um capítulo de sua vida, muitos outros virão. Guarde nossas lindas lembranças, mas, por favor, não tenha medo de criar outras”
Página 29

Muito antes de conhecer o livro da Cecelia Ahern eu já tinha me encantado com a história de amor que vi na adaptação cinematográfica. Após o termino da leitura percebo que a narrativa intensa construída pela autora vai muito além do romance e trata principalmente de superação. Uma história tão bonita e real que é capaz de despertar um turbilhão de emoções no leitor.

Na trama acompanhamos a trajetória de Holly ao tentar reconstruir sua vida após a morte de seu esposo e melhor amigo, Gerry. Holly está prestes a completar 30 anos, está desempregada (e sem perspectivas de um novo emprego) e tomada pela tristeza e pelas incertezas de um futuro sem aquele que sempre a acompanhou e lhe deu apoio. Nesse caminho de dar novos sentidos para a vida, a personagem principal conta com o apoio da família e dos amigos.

Na maior parte do livro conhecemos Gerry por meio das lembranças de Holly; lembranças essas que são praticamente a única forma de vida da protagonista durante os primeiros meses de luto. Gerry era uma espécie de porto seguro para Holly e tendo noção de como sua partida deixaria sua esposa desnorteada, ele escreve uma série de cartas que Holly deveria abrir ao longo dos meses. Tais cartas tinham como objetivo ajudá-la a superar a perda e perceber que a vida dela deveria continuar.

Durante o tempo em que Holly teve acesso às cartas de Gerry, é possível acompanhar toda a evolução e o amadurecimento da personagem, que vai desde atitudes mais triviais do dia a dia até a forma de se relacionar com a família. Claro que existem diversos momentos em que Holly se sente triste mesmo tendo esse as cartas como apoio e até como uma espécie de incentivo, mas tudo isso só torna a história mais real e intensa. Vale ressaltar que a relação da protagonista com as amigas é responsável pelas melhores gargalhadas que este livro pode proporcionar e ajudam a tornar a narrativa mais dinâmica.

Devo destacar também que a história construída pela Cecelia foi capaz de me emocionar. Eu não chorei nem me descabelei, mas em diversos momentos sentia aquele aperto na garganta diante da veracidade do drama da Holly. E o mais interessante é que apesar de ter todo esse drama como pano de fundo o livro é extremamente leve, divertido em muitas partes e muito gostoso de ler. 



"- Mas Holly, a vida de ninguém é repleta de momentos perfeitos. E se fosse, não seriam momentos perfeitos. Seriam apenas normais. Como você conheceria a felicidade se nunca passasse pelas fases tristes?" 

Página 301


Sobre a estrutura

O livro é narrado em terceira pessoa e tem a narração focada na personagem da Holly apesar de em alguns momentos produzir bons contrapontos com outros personagens. Achei os capítulos um pouco curtos, mas isso não representou um problema já que os mesmos são bem desenvolvidos.


Érika Rodrigues

Também poderá gostar

6 comentários

  1. Oi Érika!
    Primeiramente, parabéns pela resenha, me deixou com mais vontade de ler esse livro!
    Já tenho na minha estante e inclusive está na minha meta do skoob, não vejo a hora de ler!
    Tenho certeza que me emocionarei, sou super chorona haha!
    Beijos!
    http://borboletasliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Gostei de sua resenha.
    A história me deixou intrigado, e pelo visto deve ser muito boa para ter te emocionado. Amo livros em terceira pessoa, quem sabe não me dou com ele um dia.

    Abraço
    Pedro S.
    http://decaranaslestras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Erika!

    Uma vez quase comprei esse livro, mas acabei desistindo (não lembro porque). Gostei da sua opinião e parece ser tocante o livro. Uma vez comecei a assistir o filme, mas acabei dormindo hahaha
    Parabéns pela leitura!

    Abraços!
    encantosparalelos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Tenho muita vontade de ler esse livro, a história parece muito fofa, mas acho a capa mt feia e sempre perco a vontade de compra-lo.

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
  5. Esse livro está na minha wishlist faz um tempinho, mas ainda não consegui comprá-lo. Não vejo a hora, pois todos dizem que é muito bom. Beijos!

    Tem uma SUPER novidade lá no blog, já viu? http://frases-perdidas.blogspot.com.br/2014/06/super-novidade-agora-o-frases-perdidas.html

    ResponderExcluir
  6. Olá, Érika! A versão desse romance da Cecelia para o cinema é o meu filme favorito quando o assunto é filme de romance. Chorei com o filme quando vi a primeira vez e criei uma afeição especial por ele, por isso não penso em ler o livro. Tenho medo de ser melhor que o filme e eu começar a não gostar do filme rs e tenho medo de ser pior que o filme e eu perder o meu tempo rs Nossa, que confusão, né?
    Mas adorei a sua resenha! E muito obrigada pela visita lá no Bibli! Beijos!

    bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir

.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações-SemDerivados 2.5 Brasil.