Arqueiro

[Resenha]: Cilada (Harlan Coben)

00:26

Título: Cilada | Autor: Harlan Coben | Editora: Arqueiro | Edição: 1 | Páginas: 272 | Nota: 4 de 5



Sinopse: Haley McWaid tem 17 anos. É aluna exemplar, disciplinada, ama esportes e sonha entrar para uma boa faculdade. Por isso, quando certa noite ela não volta para casa e três meses transcorrem sem que se tenha nenhuma notícia dela, todos na cidade começam a imaginar o pior. O assistente social Dan Mercer recebe um estranho telefonema de uma adolescente e vai a seu encontro. Ao chegar ao local, ele é surpreendido pela equipe de um programa de televisão, que o exibe em rede nacional como pedófilo. Inocentado por falta de provas, Dan é morto logo em seguida. Na junção dessas duas histórias está Wendy Tynes, a repórter que armou a cilada para Dan e que se torna a única testemunha de seu assassinato. Wendy sempre confiou apenas nos fatos, mas seu instinto lhe diz que Mercer talvez não fosse culpado. Agora ela precisa descobrir se desmascarou um criminoso ou causou a morte de um inocente. Nas investigações da morte de Dan e do desaparecimento de Haley, verdades inimagináveis são reveladas e a fragilidade de vidas aparentemente normais é posta à prova. Todos têm algo a esconder e os segredos se interligam e se completam em um elaborado mosaico de mistérios. Harlan Coben mais uma vez deixa o leitor sem ar. Cilada fala de culpa, luto e perdão em uma trama repleta de reviravoltas surpreendentes. Nada é o que parece e tudo pode ser desfeito até a última página.



Comentários

A literatura policial era a minha queridinha quando comecei o vício da leitura. No entanto, após uma overdose de Agatha Christie na adolescência passei muito tempo sem ler nada do gênero e não estava familiarizada com os autores contemporâneos. Cilada representou, por assim dizer, o meu retorno às tramas policiais e foi uma grata surpresa.

O enredo construído por Coben inicia nos apresentando Dan Mercer, assistente social, ao supostamente receber uma ligação de uma das adolescentes que participavam do seu programa de auxílio. No telefonema a garota alegava estar em perigo e pediu ajuda a Dan. Ao chegar ao local indicado, Dan descobre que tudo não passou de uma armação orquestrada pela jornalista Wendy Tynes. 

Wendy era apresentadora de um programa sensacionalista especializado em desmascarar pedófilos e Dan era apenas mais um dos seus suspeitos. Após a exposição em na TV, Dan e processado e vai a julgamento, mas em virtude da falta de provas o assistente social é inocentado. Mesmo assim, passa a ser repudiado pela comunidade onde morava e é assassinado em seguida. Deixando Wendy com um enorme peso na consciência, já que teria colaborado de forma indireta para a morte de um inocente.

Em paralelo, a cidade vive a angústia em torno do desaparecimento de Haley McWaid. A jovem de 17 anos era uma aluna e uma filha exemplar, que surpreende a todos ao não voltar para casa após uma festa e não deixa pistas sobre seu paradeiro. Após três meses de buscas sem nenhum sucesso, até mesmo os investigadores passam a acreditar que o pior aconteceu.

Em um dado momento da narrativa as duas histórias se encontram e Harlan deixa o leitor sem chão com a quantidade de reviravoltas que o enredo possui. Posso dizer que em nenhum momento da leitura tive convicção sobre determinada linha de suspeitos. Praticamente todos os personagens, muito bem construídos por sinal, tinham motivos para se configurarem como vítimas ou culpados. Confesso que o desfecho foi surpreendente e que por um momento achei que o autor deixaria algumas pontas soltas, mas isso não aconteceu. Cilada tem uma narrativa rápida, instigante e muito bem elaborada. Recomendo. 

“Muitas vezes na vida somos obrigados a fazer julgamentos que não queremos fazer. E queremos que eles sejam fáceis. Queremos confinar as pessoas em categorias bem definidas, anjos ou monstros, mas quase sempre o buraco é mais embaixo: a verdade está em algum lugar entre os dois extremos. E é esse o problema. Os extremos são bem mais fáceis” 
Página 86

Sobre a estrutura

O livro é narrado em terceira pessoa e essa forma de narração dá uma ótima dinâmica a história, permitindo que o leitor transite pela perspectiva de cada um dos personagens. Os capítulos são medianos e apresentam ótima continuidade de modo que nos últimos o leitor quase não sente a passagem de um para outro.



Érika Rodrigues

Clássicos

Clube do Livro aborda os clássicos da literatura

23:56







A edição de setembro do Clube do Livro Sergipe apresenta os clássicos da literatura mundial aos leitores. Títulos como Admirável Mundo Novo, O Mágico de Oz e O Morro dos Ventos Uivantes serão apresentados ao público neste sábado, 27, às 15h, na livraria Saraiva localizada no Shopping Riomar.

Além das tradicionais discussões sobre as obras do gênero, serão realizados sorteios e o lançamento do Repasse Literário, concurso cultural que tem o objetivo de incentivar o hábito de leitura entre os participantes do evento.




Serviço:

Clube do Livro Sergipe

Local: Livraria Saraiva (Shopping Riomar)

Horário: 15h


Érika Rodrigues

Arqueiro

Indicações para a sua estante #11

22:15

Olá leitores!
Como já virou costume uma das primeiras postagens do mês é dedicada a indicação de livros. Então vamos aos títulos escolhidos para setembro.


A Verdade Sobre Nós - Amanda Grace

Madelyn Hawkins está cansada. Cansada de ser sempre perfeita. Cansada de tirar A em tudo. Cansada de seguir à risca os planos que os pais fizeram para ela. Madelyn Hawkins está cansada de ser algo que não é, algo que não quer ser. E então ela conhece Bennet Cartwright. Inteligente, sensível, engraçado. A seu lado, ela se sente livre e independente. Uma história que poderia muito bem ter um final feliz, não fosse por um detalhe: Maddie tem apenas 16 anos, e Bennet, além de ter 25 anos, é seu professor. Pressionada pelos pais a participar de um programa para jovens talentos, Maddie pula dois anos do Ensino Médio e vai direto para a faculdade, onde conhece e se apaixona pelo professor de biologia. O sentimento é recíproco, e para dar uma chance àquele novo relacionamento que lhe faz tão bem, ela decide não contar para Bennet sua idade. Não demora muito para que as coisas comecem a dar errado, e as consequências da farsa de Maddie ganham contornos devastadores quando a verdade vem à tona.



Espero Alguém - Fabrício Carpinejar

Com "Espero alguém", Carpinejar, mais maduro, tanto profissional quanto emocionalmente, apresenta crônicas escritas após um período difícil de sua vida: o abandono pela mulher amada. Com textos emocionantes, sinceros e, também, engraçados, o autor comprova que ninguém esta preparado para uma separação.

"Espero alguém" trabalha as duas separações do autor. Começa triste e, ao longo das paginas, o ânimo vai melhorando. No final, o alívio. As crônicas tratam da retomada – a superação do luto – provando que tudo passa. Um novo amor é quase uma certeza. E, se você não amar esse amor mais do que amou o que veio antes, provavelmente amará mais a si mesmo.

Carpinejar mostra também as contradições do relacionamento: o que cada um precisa e pode fazer pelo outro. A importância da sedução mútua e a convivência com as críticas. Além disso, dá conselhos, como: “não fale mal até vinte dias após o termino. Se reatar, você estará desacreditado.” “Estou solteiro de novo. Ela se separou de mim, eu não me separei dela. E o pior que sou escritor, trabalho em casa. Não conto com um escritório para fugir e mudar de assunto.

Identifico sua falta a todo instante. Meu coração é um cativeiro.” (Carpinejar)



Seis Anos Depois - Harlan Coben

Jake Fisher e Natalie Avery se conheceram no verão. Eles estavam em retiros diferentes, porém próximos um do outro. O dele era para escritores; o dela, para artistas. Eles se apaixonaram e, juntos, viveram os melhores meses de suas vidas. E foi por isso que Jake não entendeu quando Natalie decidiu romper com ele e se casar com Todd, um ex-namorado. No dia do casamento, ela pediu a Jake que os deixasse em paz e nunca mais voltasse a procurá-la.

Jake tentou esconder seu coração partido dedicando-se integralmente à carreira de professor universitário e assim manteve sua promessa... durante seis anos.

Ao ver o obituário de Todd, Jake não resiste e resolve se reaproximar de Natalie. No enterro, em vez de sua amada, encontra uma viúva diferente e logo descobre que o casamento de Natalie e Todd não passou de uma farsa.

Agora ele está decidido a ir atrás dela, esteja onde estiver, mas não imagina os perigos que envolvem procurar uma pessoa que não quer ser encontrada.

Em Seis Anos Depois Harlan Coben usa todo o seu talento para criar uma trama sensacional sobre um amor perdido e os segredos que ele esconde.




O que acharam das indicações do mês?
Érika Rodrigues

Intrínseca

Resenha: O Teorema de Katherine (John Green)

23:55

Título: O Teorema Katherine | Autor: John Green | Editora: Intrínseca | Edição: 1 | Páginas: 304 | Nota: 4 de 5


Sinopse: Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam.

Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.


Comentários

Iniciei a leitura de O Teorema Kathenire com alguns receios. Explico: li muitos comentários de que este era o livro mais fraco do John Green e que não era uma leitura recomendada. Hoje posso dizer que todos esses receios foram infundados. Assim como os demais livros que li do autor, este tem uma história cativante, muito engraçada e com aquelas reflexões, típicas do autor, salpicadas no enredo.

O livro conta a história de Colin, um prodígio viciado em anagramas que só namora meninas que se chamam Katherine (escrito dessa forma). Além de só se relacionar com garotas com o mesmo nome, Colin nunca termina um namoro. As Katherines sempre terminam. E considerando a mais recente foram 19 delas. 

Colin inicia sua jornada com uma dupla frustração: o termino com a Katherine XIX e o fato de não ter realizado nenhum feito que o tirasse da categoria de prodígio e o elevasse ao status de gênio. Ao vê-lo nessa situação, Hassan, melhor amigo de Colin, propõe uma viagem de carro sem destino com o intuito apenas de adquirir experiência de vida e melhorar o estado de espírito do amigo.

Durante a viagem, os dois fazem uma parada em uma cidade do interior chamada Gushot para visitar o túmulo do arquiduque Francisco Ferdinando. O que seria apenas uma breve parada acaba virando algo mais duradouro quando Hollis, uma empresária da cidade, oferece casa e emprego temporário para os meninos. A partir desse momento Lindsay, filha de Hollis, também se junta aos garotos em busca de novas experiências.

Nesse meio tempo Colin continua perseguindo o seu momento Eureca e desenvolve o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines - equações matemáticas que teriam o objetivo de antever o rumo de um relacionamento. Mesmo a matemática não sendo um assunto de fácil entendimento para grande parte do público, o autor foi extremamente atencioso ao explicar detalhadamente cada etapa da criação de Colin. O livro é repleto de notas de rodapé e tem até um apêndice explicando a teoria.

"É possível amar muito alguém, ele pensou. Mas o tamanho do seu amor por uma pessoa nunca vai ser páreo para o tamanho da saudade que você vai sentir dela."
Página 141

Érika Rodrigues

.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações-SemDerivados 2.5 Brasil.