[Resenha]: Cinquenta tons de cinza (E.L James)

18:27

Título: Cinquenta Tons de Cinza | Autora: E. L. James | Editora: Intrínseca | Edição: 1 | Páginas: 480 | Nota: 4 de 5

Sinopse:  Cinquenta Tons de Cinza - Quando Anastásia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja - mas em seus próprios termos.
Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso - os negócios multinacionais, a vasta fortuna, a amada família -, Grey é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Quando eles embarcam num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros que Grey tenta manter escondidos.


Comentários

“Às vezes, me pergunto se há algo de errado comigo. Talvez eu tenha passado muito tempo na companhia dos meus heróis literários românticos e, consequentemente, tenha ideais e expectativas elevados demais.”


Minha primeira leitura de Cinquenta Tons de Cinza ocorreu em 2012, ano de lançamento de obra, mas como naquela época eu ainda não tinha blog e devido ao burburinho com o lançamento do filme resolvi reler e apresentar minha opinião aqui no Relicário. 

É fato que se trata de uma narrativa polêmica. Polêmica por múltiplos ângulos: conteúdo erótico, apresentação do mundo BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) e críticas quanto à qualidade literária do livro. De início gostaria de esclarecer que não me enquadro como juíza de nenhuma dessas polêmicas e gostei do primeiro livro da trilogia. 

A história criada por E.L James está centrada na personagem Anastasia, uma jovem inocente que está terminando a faculdade de Literatura Inglesa, e no empresário bem sucedido Christian Grey. Os dois se conhecem quando Ana substitui sua amiga (Kate) em uma entrevista para o jornal da universidade. O encontro é embaraçoso, mas Ana acaba atraindo a atenção de Grey que se esforça para promover outros encontros casuais entre os dois. 

No entanto o que poderia desencadear um relacionamento convencional acaba se transformando em uma experiência completamente diferente para Anastasia. Isso porque Grey não se interessa por namoros e propõe a moça uma relação nos moldes Dominador e Submissa. A proposta deixa Anastasia surpresa e intrigada, já que ao mesmo tempo em que ela tem receio de se envolver dessa maneira também fica extremamente curiosa e atraída pelo novo mundo que Christian lhe apresenta.

A partir daí, temos o desenvolvimento da narrativa e da própria sexualidade de Anastasia. James apresenta de maneira branda como se constitui o mundo BDMS e como cada um dos personagens principais encara o relacionamento e amadurece. A narrativa instiga e causa curiosidade, o que faz com que a leitura seja rápida. Os personagens são apresentados de maneira superficial, talvez em função do livro ser narrado pela própria Ana. Grey é de longe o personagem mais complexo, embora a leitura dos demais livros tenha me decepcionado com as justificativas apresentadas pela autora e o encaminhamento dado a história.

Por ser um livro de estreia, o leitor mais atento consegue verificar alguns problemas na narrativa da E. L. James. A autora é por vezes repetitiva, mas o que mais me incomodou foram as marcações textuais utilizadas para sinalizar o fluxo de consciência de Anastasia. O leitor identifica com certa facilidade quando o personagem está divagando sem necessariamente isso precisar está escrito. Mesmo com esses problemas considero a leitura válida principalmente para quem está procurando iniciar no nicho da literatura erótica. Quanto a polêmica a respeito da qualidade literária da obra, vamos manter em mente que livros são também entretenimento e que nesse quesito a autora cumpre o que se propõe.


Érika Rodrigues

Também poderá gostar

4 comentários

  1. Olá Érika!
    Quando li a obra também estava em época de lançamento e ainda não era um escândalo kkkkkkkkkk mas assim como você curti o primeiro volume da obra, o que não posso considerar para os outros dois que na minha opinião ficaram bem repetitivos e cansativos!
    Levando em consideração tudo que foi dito concordo com você, e apesar de não ser uma narrativa tão boa, é o suficiente pra quem quer iniciar esse tipo de leitura.
    Amei sua resenha, bem detalhada e muito bem escrita! Você está de parabéns!!

    Amei o cantinho ;) e claro passando pra retribuir sua visita

    Beijokas

    paraisodasideas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Acredita que eu tava falando agorinha mesmo com uma amiga desse livro? E até indicando uma postagem sobre ...
    Bom, voce gostou , eu comprei os livros e ainda não os li, então não sei... vou esperar um moment oque esteja muuuuuito curiosa ... veremos hehehe quem sabe me breve? fiquei feliz em saber que a leitura é fluida ufa!
    opa, obrigada querida :)
    Um beijo!
    Pâm -www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Esse não é o meu tipo de livro favorito, por isso mesmo nem me interessei, mas muita gente fala bem e elogia a obra. Só não é do meu interesse.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Hey, Érika! Tudo bem?
    Não gosto muito desse tipo de leitura porque às vezes tenho medo de que possa influenciar algumas pessoas e essas mesmas pessoas não vão ter o final feliz que diversas vezes a protagonista desses livros tem :/
    Beijo!

    www.bibliophiliarium.com

    ResponderExcluir

.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações-SemDerivados 2.5 Brasil.